Quem nos quer

domingo, 25 de julho de 2010

le danseur

Tinha esquecido (não imagino como isso aconteceu) o quanto faz bem dançar. É tão estranho, algo fazer parte de nossa vida tão intensamente e de repente deixar de ser importante. Ser totalmente deixado para traz, como um acumulo de lembranças e pequenas quinquilharias, acumuladas e guardadas num baú..
Danço desde que me conheço por gente. Não há uma época em minha vida em que a minha primeira lembrança não remeta à dança... Bailarina na infância, dança do ventre na adolescência.Isso sem contar as fanfarras de escola (sempre fui destaque com  balizas), os grupos de dança de rua entre amigos, o jazz, o samba.... 
Como posso ter esquecido tudo assim? 
Tive uma noite mágica ontem, de recordações e aprendizado. De saudade principalmente. Saudade daquela paixão que me movia nos ensaios solitários de horas e horas até alcançar a perfeição de um movimento. Saudade do suor escorrendo pelo rosto, da briga  contra o cansaço. Saudade da névoa criada pela música que envolve o dançarino, onde ele flutua com sua dama  inebriado, embriagado.
A paixão sempre me moveu. Só faço o que realmente amo por que assumo minha incompetência em assumir projetos desenteresantes. Sei que não vou desenvolvê-los nem mediocremente, se estiver apaixonada pelo que estou fazendo. Preciso de tesão para levantar de manhã e ir trabalhar. Vou por que gosto do que faço.
Por alguns anos, perdi essa paixão pela dança. Não me animei nem quando me apaixonei por um dançarino. Mas ontem algo em mim acordou. Meus olhos se abriram, como se para a luz de um novo dia, uma luz amarelada de amanhecer, de recomeço.
Acho que perdi a flexibilidade para demi-pilês, attitudes e arabesques... Mas reencontrei a felicidade do aprendizado. Tive uma noite reveladora, girando entre aqueles casais. A dança voltou para mim e eu voltei para a dança.




Bia/Flor


7 comentários:

Milinha disse...

é como sua literatura, às vezes parece que te domina, já presenciei suas psicografias. Tenho saudade da dança também amiga, tenho saudade de tudo, da nossa história. De como você era a mais linda e a mais doce e sempre sorria e estava a disposição de quem precisasse. tenho saudade de amigos assim aqui. Eu vim para tão longe. Seu texto me fez chora Bia (que coisa feia). por que enquanto lia tudo passava na minha mente em flash back. Os ensaios, eram de horas mesmo, mas não tão solitários como você diz, a gente também ensaiava junto. Tenho saudade doa planos que a gente fazia. Você tinha um minhão de idéias e queria coloca-las em pratica já. Eu ficava ponderando. Talvez se seguíssemos seus impulsos tivessemos chegado em algum lugar. Te ler hoje foi maravilhoso minha amiga. sei que a idéia desse espaço aqui é é só comentar o texto, a métrica e tudo mais. me estendi demais. Mas não posso deixar de deixar minha considerações. Me senti dentro do que você disse, me senti aí, escrevendo com você. Posso te imaginar sentada debaixo daquele coqueiro, olhando o mar e rabiscando o seu caderno de contos. elaborando.... saudade amiga, saudade doiiiida.. tssss
amo muito você, não esquece de mim não e de vez em quando fala de mim aqui. um beijão e chicão tambem

ps: esqueci minha senha do google, vc lembra?

Luciana disse...

Que lindo!
Eu também tenho esse problema,até com o que me interesso muito as vezes deixo de lado.As vezes da saudades,olho,penso em voltar a fazer mas o comodismo toma conta de mim.
Ufa achei que era só eu!rs
Espero que essa vontade de prosseguir me domine tbm.

Ah,mandei um recadinho pra Ray sobre o DQF,vamos ver no que dá.Quem sabe até podemos convidas outras meninas né?
Saudades

Augusto Dias disse...

Que bom que fez tão bem.
Que bom que é assim.
Que assim seja então.

Augusto Dias disse...

Ganhou selinho hihihi!!!

Thiago Quintella de Mattos disse...

Não devemos deixar a arte que mais gostamos sair , mas ela sai de repente. Será que é pelo gosto do reencontro?

Raysla Camelo disse...

É tão estranho ficarmos tão desatentos a ponto de deixar tudo, até nós mesmos, para trás.
Já se sentiu deixando de ser importante a si própria?

Eu tou com saudade de você, das nossas conversas sem limite...
Sobre o DQF, a gente pode recombinar quando você (e eu) aparecer no msn!
Que dia e hora? Virei usuária da agenda... minha vida anda uma maratona!

Beijos e um sorriso.

Sylvio de Alencar. disse...

Ora, ora...! Augusto por aqui!

Se não me engano, vc morava com sua mãe, depois deu uns problemas, e vc esta pra sair de casa...
Agora, sei que está casada, seu filho que era pequenino está grandão, marido boa pinta do lado. É, o tempo passa... sou um leitor 'antigo'...

Sem duvida: sem tesão, não dá! Nem levanto da cama!
Adoro dançar, e, não danço... Talvez um dia eu tenha essa epifania que vc teve.
voltar para algumas coisas que amamos no pasado sempre é uma revelação.

Abrçs Bi.