Quem nos quer

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Em má compania>> capítulo XI>> Tatuagem

Não Lembro como essa história começou. Para variar eu estava bêbada numa festa na casa de um tal Muse. Ele morava em San Catty, Califórnia (apelido carinhoso de São Caetano).Aquela casa era um cubículo mal iluminado e com insetos mortos pelo chão. Mas é claro que ninguém se importava com isso. Éramos um bando de ratos bêbados ouvindo Ratos de Porão.
“Pó, você tem a pele tão branquinha. Massa pra tatuar...”
Spiga era tatuador. Não exatamente, ele andava com umas agulhas e dizia que eram para tatuar...
Ele era um cara estranho, super alto e magrelo e com tatuagens grotescas por todos os braços e pernas. Tinha os dentes esverdeados e os cabelos claros, desgrenhados e super embaraçados propositalmente, eu acho.
Sorri um sorriso lerdo, senti náuseas quando olhei para ele. “Então faz um desenho legal.”, “onde?”, “bem aqui”. E eu apontei para a minha bunda.
Joey se estourou numa gargalhada, “faz um duende”.Ozzy também se meteu, “faz um diabo e coloca um peircing no grelo”.“Cala a boca seu pederasta. Bora Spiga, quero um desenho legal bem no meio da minha bunda. Você ta lúcido pra tatuar agora?”, “Não!”, “Que seja...”
.Tomei o ultimo gole de vinho, joguei a garrafa de plástico verde atrás do sofá, levantei, abri o zíper da calça, “Vamo, cadê as agulhas?”, “peraí menina apressada. Vamo deixar isso pra outro dia”, “Brocha!! Outro dia eu não quero mais, posso não estar bêbada o bastante.”.
Joey riu outra vez “Você nunca está bêbada o bastante Lu”.
Fato.
“Eu posso garantir que você vai estar sempre bêbada!” Ozzy ergueu o copo e se jogou no sofá.
“Tá, talvez e esteja, mas outro dia eu não quero mais” e bati o pé.
Discutimos e eu insisti. Ele se rendeu e fomos para o quarto.“Ta bom, ce quer na bunda mermo?”. “Não. Quero aqui”, e apontei para a área acima da virinha esquerda.
“Vai tirando a roupa enquanto eu preparo o equipamento. Onde é que tem uma tomada nessa merda?”.
“Êba, strip!!”, Ozzy esfregou as mãos.
Fiu até a sala chamar Joey para ela segurar a minha mão, mas ela já estava com a língua amarrada na língua de uma garota que nem andava com a gente.
Voltei, agarrei a mão de Ozzy, deitei na cama e tirei a calça.
Spiga tinh dedos finos e unhas enormes. Esfregou a xilocaína por quase toda a minha barriga e tentava enfiar a mão por dentro da minha calcinha. “E qual vai ser o desenho?”
“Faz a fada verde do absinto”, “deixa de ser retardado Ozzy!”.
Spiga pegou um álbum da mochila. “Escolhe aí”.
Olhei aquele álbum de trás para frente, de cima para baixo. Nada que me agradasse. Tinha sono, ao mesmo tempo em que o fato de estar semi-nua numa cama com dois caras e muitas agulhas me fazia ter idéias excitantes. Sorri para mim mesma.“Quero essa aqui”, na verdade não queria nada, queria dormir.
Spiga ligou aquele motorzinho estridente e irritante. Senti uma quentura no osso do quadril, “Você disse que essa merda não ia doer”, “Toma mais um pouco de vinho e você não vai sentir mais nada”, “Vinho não, quero vodka, me dá esse copo aqui Ozzy”. Ozzy passou o copo para mim e eu virei um só gole.
O álcool desceu pela minha garganta querendo subir novamente. “Faz logo essa porcaria”, foi a ultima coisa que lembro ter dito.
Dormi até o meio dia do dia seguinte. Acordei com quinze martelos partindo minha cabeça, sem roupa e tatuada.
Spiga fez o desenho enquanto eu dormia. Ozzy e Joey me carregaram até o carro. Até hoje ele diz que fizemos uma orgia a três. Mas eu não lembro de nada.

A tatuagem, é uma rosa...

Luisa Blue

15 comentários:

Valter disse...

Porra Biazuda agora fiquei confuso. vc disse que essa Luisa é só personagem mas essa sua tatuagem eu já vi... e aí, essa história é real? Se for vc é mais doida do que eu pensei

Bia Ferreira disse...

Veja bem meu bem... Tudo aqui não passa de literatura, mas a literatura eu tenho que tirar de algum lugar....

Luciana disse...

Uma rosa?
Até q ele foi bonzinho...rs

Eric R. disse...

Uauuuu que história hein.

Muito interessante seu blog e seus textos.
Exotic ao extremo.
Muito bom.

Obrigado pelo comentario e e pela visita e esteja a vontade para voltar sempre.

beijo :D

meus instantes e momentos disse...

ótimo post, muito bom o blog, gostei daqui.
Gostei mais ainda dessa tua resposta aí encima.
"Veja bem meu bem... Tudo aqui não passa de literatura, mas a literatura eu tenho que tirar de algum lugar...." rsrsrs
Inteligente, sagaz..
Maurizio

Eric R. disse...

O seu " você é um achado" ficou até agora em minha mente kkkkkk

Beijo :D

Caroline. disse...

Owww que texto foda *________*
Queria saber escrever assim *O*
Obrigada de pela vista ;)
vou te seguir =D
Beijão =*

gii manucelli disse...

QUERIDA BIA :) falo com gosto, os comentários que tenho recebido de você são os melhores, riri :)
seus textos são os melhores, adoro ler. eu queria fazer uma tatuagem :( riri


beijos ;*

Deni Maciel disse...

hahaha a ficção imiata a realidade ? *-*
abraços
bom fDs.
e o jason quee
parece q tá morto mas que
ressurge e leva é o button..
pq o jason do morumbi tá mais pra
zé do caixao....

Alan Félix disse...

Ando mto ocupado... Cachoeira, a universidade anda me consumindo aos poucos.

Beijo!!

André disse...

“Ta bom, ce quer na bunda mermo?”, parece história da Gu!

Sylvio de Alencar. disse...

Interessante...!!! bom texto! gostoso de ler!!!! Legal quando dá pra visualizar a coisa, o auê!

Sylvio de Alencar. disse...

Interessante...!!! bom texto! gostoso de ler!!!! Legal quando dá pra visualizar a coisa, o auê!

Leoa Wilde disse...

Me tire uma dúvida..... naquela época eu tinha "tendência ao lesbianismo" ou vc teve inspiração em meu álbum no Orkut???

Fiquei encucada, mas voltando, adorei o seu conto, me fez relembrar a época em que lhe conheci, uma das coisas que nunca vou esquecer!

Bjão nessa bunda branquela

bruno disse...

puta merda.....nesse dia minha cabeça doeu o dia inteiro!!!! mas, mesmo assim continuava com um sorriso idiota na cara...kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!! mentira..!!!