Quem nos quer

quarta-feira, 10 de junho de 2009

He is a naughty boy

(To the north, to the north)

Sua maior travessura é fingir

que não vê os meus olhos implorando

por um beijo.

A primeira vez que o vi foi numa fotografia.

É naquele menino de moletom escuro passeando numa tarde ensolarada da Disney que penso todas as vezes que olho no fundo de seus olhos por trás dos óculos de grau, que diga-se de passagem, lhe caem tão bem...

Por isso que ele é o meu menino, o meu menino travesso que diz injurias e palavras azedas, impossíveis de ser repetidas, com a naturalidade de uma criança de boca suja.

O meu menino sempre deixa que eu o beije ao meu bel prazer. Ele deixa que eu me aproveite dele e finge não saber que o que tenho por ele é a mais doce das paixões.

O meu menino não me desperta ilusões. Não. Eu não sou mais menina de se iludir. Ele é quem é. É o meu menino travesso e iludido.

Seus joelhos rosados e as mãos tão macias... Ai, meu menino como você foi protegido em sua redoma.

O meu menino tem cara de anjo e covinhas no rosto e um furinho no queixo. E ele nem sabe o que eu sinto por ele (nem eu tenho certeza, mas quem tem certeza de qualquer coisa nessa vida?). Ele é tão desligado que nem nota os meus suspiros quando sua barba arranha a face minha.

Ele nem nota os estratagemas que uso para tocá-lo. Ele nem nota o quanto labuto para que cada toque pareça natural.

Meu menino é travesso só para mim. Pois só para mim seu sorriso é uma diabrura. Só para mim sua inocência é uma molecagem. Só para mim suas palavras são enigmas.

Ai meu, meu, meu menino..

Durma bem...

Escrito numa noite insone de inverno

Junho de 2005


para Baumgartem

Um comentário:

Migule disse...

Baumgarten? Carlinhos Baumgarten?? Eu sabia!!!
Tem texto pra mim?